Esta composição é de Janeiro de 2020, e procura exprimir a llenta ascenção de um sentimento intenso de euforia e alegria no qual no entanto já se pressente a queda, de modo que a euforia nascente fica submersa desde o início, mergulhada na tristeza pressentida. Imaginem um sol nascendo, caloroso, iluminado... mas nascendo triste.

Para quem queira compreender as fontes que me levaram a compor uma coisa assim, elas estão em algo presente na vida de quem sofre de um problema muito mal compreendido e rodeado de muitos preconceitos: o transtorno bipolar de humor.
(Esta música aliás faz par com uma outra de minha composição, em que a temática é ainda mais explícita e acentuada: a música "Minha marcha de sombras em trilha de sol".)

Devido a um problema químico de ordem hereditária, combinado a fatores externos de estresse e ansiedade que podem tornar a coisa mais instável e pouco previsível, o bipolar, sobretudo quando não medicado, passa por perídos de enorme euforia, muito acima do normal e do adequado para a situação real em que está, que são seguidos pela queda abismal em períodos de depressão. Quando ele tem autoconhecimento suficiente para compreender isso em si mesmo, passa a prever a queda quando está em euforia, e a própria euforia pode emergir de saída sob uma camada autoconsciente e triste, com uma tonalidade de sofrimento por antecipação.
É o que se procura desenar nesta música.

    Instrumental
    • Type: Original
    • 93 bpm
    • Key: Em
    • © Creative Commons: Attribution, Share Alike
    • São Paulo, Brazil
    Full Link
    Short Link (Twitter)